Leituras de Verão 2016

Confesso que nos últimos tempos tem sido raro conseguir sentar-me e ler um livro do princípio ao fim. A leitura absorve, tranquiliza, leva a outra dimensão… Descansa a mente da correria do dia a dia, com o novelo de desvaneio do seu autor, que nos faz parte de cada história.

Na verdade, devia parar de dar a desculpa que o trabalho, o blog e tantas outras tarefas do quotidiano, me roubam o tempo da leitura, e dedicar-me também a isto. Os poucos episodios que me faltam para completar Game of Thrones, podem esperar! E o verão é bom para actualizar a leitura de 2016.

 

IMG_4432 (1)

 

As escolhas são sempre muito pessoais. Dificilmente gostamos todos do mesmo. Mas deixo-vos algumas das minhas escolhas dos livros de 2016, para vos acompanhar nos dias de praia e de piscina. Ou nas noites quentes de verão.

 

A rapariga do comboio

 

1507-1
O êxito de vendas mais rápido de sempre. O livro que vai mudar para sempre o modo como vemos a vida dos outros. Todos os dias, Rachel apanha o comboio… No caminho para o trabalho, ela observa sempre as mesmas casas durante a sua viagem. Numa das casas ela observa sempre o mesmo casal, ao qual ela atribui nomes e vidas imaginárias. Aos olhos de Rachel, o casal tem uma vida perfeita, quase igual à que ela perdeu recentemente. Até que um dia…Rachel assiste a algo errado com o casal… É uma imagem rápida, mas suficiente para a deixar perturbada. Não querendo guardar segredo do que viu, Rachel fala com a polícia. A partir daqui, ela torna-se parte integrante de uma sucessão vertiginosa de acontecimentos, afetando as vidas de todos os envolvidos. De leitura compulsiva, este é o thriller do momento, absorvente, perturbador e arrepiante. «”A Rapariga no Comboio” é o mais envolvente romance com um narrador inconfiável desde Em Parte Incerta. Este livro vai deixar os seus leitores arrepiados.» New York Times

 

O Pavilhão Púrpura

 

1507-1 (1)

 

Pode uma ideia mudar o mundo? Nova Iorque, 1929. A bolsa entra em colapso, milhares de empresas fecham, milhões de pessoas vão para o desemprego. A crise instala-se no planeta. Salazar é o ministro das Finanças em Portugal e a forma como lida com a Grande Depressão granjeia-lhe crescentes apoios. Conta com Artur Teixeira para subir a chefe de governo, mas primeiro terá de neutralizar a ameaça fascista. O desemprego lança o Japão no desespero. Satake Fukui vê o seu país embarcar numa grande aventura militarista, a invasão da Manchúria, na mesma altura em que tem de escolher entre a bela Harumi e a doce Ren. Lian-hua escapa a Mao Tse-tung e vai para Peiping. É aí que a jovem chinesa e a sua família enfrentam as terríveis consequências da invasão japonesa da Manchúria. A crise mundial convence os bolcheviques de que o capitalismo acabou. Estaline intensifica as coletivizações na União Soviética e o preço, em mortes e fome, é pago por milhões de pessoas. Incluindo Nadezhda. O mundo à beira do abismo. Considerado pelos portugueses o seu maior escritor, José Rodrigues dos Santos acompanha-nos numa viagem palpitante à perigosa década de 1930 na companhia de figuras históricas como Salazar e Chiang Kai-shek. “O Pavilhão Púrpura” traz-nos o segundo tomo da mais ambiciosa saga da literatura portuguesa contemporânea.

 

What is not yours is not yours

 

what-is-not-yours-is-not-yours

 

A series of loosely connected, magically tinged tales about personal and social justice. Built around the idea of keys, locks and magic doors, the stories cover a wide territory — from mythology and fairy tales to smartphones and YouTube stars.

 

Boas leituras!

Partilhar:
Iva Lamarão

Iva Lamarão

Deixar uma resposta